Receba grátis nosso conteúdo

Como cuidar dos dentinhos do seu filho!

Chupeta: Vilã ou Necessária?

14 de junho de 2015

Toda mãe tem dúvidas quanto ao uso da chupeta, ou, como chamamos aqui no Sul, o bico. A chupeta é presente obrigatório nas listas dos chás de bebê. Mas depois de ganha-la a mãe fica sem saber se deve realmente oferecer ao bebê, talvez de tanto escutar de outras pessoas que o bico entorta os dentes.

São muitas perguntas: A chupeta faz mal aos dentes? Entorta os dentes? Com que idade devo tirar? Como faço para tira-la do meu filho/a? Chupar bico significa que terá de usar aparelho ortodôntico?

Vamos responder a todas essas questões e eliminar as dúvidas que você tem, mãe.

O objetivo central do uso da chupeta pelo bebê é suprir-lhe a necessidade de sucção. A mãe logo pergunta: “Mas meu filho mama só no peito. Ele ainda precisa de complemento de sucção?”

A resposta é sim. Alguns bebês têm necessidade de suplementar a sucção mesmo quando mamam só no peito. É essa necessidade que, às vezes, o leva a mamar demais – continua sugando leite quando já está satisfeito e acaba regurgitando o excesso. Na verdade ele não precisava de mais leite, mas sua necessidade de sucção ainda não estava satisfeita.

shutterstock_151540043

É aí que entra a chupeta como complemento da necessidade de sucção, ajudando a trabalhar toda a musculatura facial. O ideal é que ela seja retirada toda vez que você perceber que seu filho/a não está mais trabalhando os músculos (ou então depois que ele adormecer).

Então vamos concluir juntas: o bico não existe para ser chupado indiscriminadamente, mas para satisfazer a necessidade de sucção extra de seu filho/a. Se a mãe não percebe essa necessidade de seu filho/a e não oferece a chupeta, pode acontecer de ele/a suprir sua necessidade de sucção chupando o dedo como substitutivo do bico.

Mas posso garantir a você, mãe: o dedo é infinitamente pior que a chupeta, em todos os sentidos. Primeiro, porque está disponível o tempo todo; mais tarde, retirar o hábito de chupa-lo será muito mais difícil. Segundo, porque o estrago que o dedo causa na arcada dentária é muito maior que a chupeta. Terceiro, porque o dedo é mais sujo e nunca será desinfectado várias vezes por dia, como a chupeta é.

Já respondo à pergunta seguinte: “Então, se meu filho/a começar a chupar o dedo, devo oferecer o bico como substitutivo?” SIM! Ofereça o bico, sem culpa. De preferência, um bico ortodôntico que provoque menos distorções na arcada dentária que o hábito indiscriminado de chupar o dedo.

Aí você, mãe, e você, pai, vão perguntar: “Devo sempre oferecer o bico ao meu filho/a?” NÃO. Sempre, não. Apenas nos momentos em que perceber que ele/a tem necessidade de sucção extra.

Já sei o que você está pensando, mãe ou pai: “E como percebo essa necessidade de sucção?” Existem pequenos truques que vão revelar a você se essa necessidade é mais ou menos premente. Vamos a eles.

O primeiro indicativo do padrão de necessidade de sucção de seu filho/a surge quando ele mama por muito tempo (fica naquela a mamada “preguiçosa”) e regurgita o leite. O segundo indicativo é quando você percebe que seu filho/a está dificuldades para dormir; coloque a ponta do dedo mínimo na boca dele/a; se ele/a se acalmar é porque gostaria muito de dormir com o bico.

shutterstock_134615213

De uma forma geral, fique tranquila. O sexto sentido de mãe apitará para você. Siga a seguinte regra: dar o bico a seu filho/a é um gesto para dar conforto a ele, não a você. Fique sempre atenta ao comportamento dele/a. Você descobrirá que ele/a “fala” com você mesmo que ainda não pronuncie palavras.

O passo seguinte é perguntar: “Com qual idade devo retirar o bico?” Bem, mãe, o ideal é retirar antes dos 2 anos. Mas fique atenta ao momento que seu filho/a está vivendo. Por exemplo, se você, mãe, ficou grávida quando ele/a tiver 2 anos, obviamente, este não é o momento certo para tirar o bico do príncipe ou da princesa desconfiado/a de que terá de dividir o trono com um irmãozinho ou irmãzinha. Tirar um hábito no momento errado, pode ser catastrófico e traumático para seu filho/a.

É importante saber que aos 2 anos de idade a chupeta perde a função de acalmar e seu filho/a passará a usar o bico como brinquedo. Por essa razão esse é o momento ideal para iniciar o processo de remoção da chupeta. Não precisa ser rigorosamente cronológico, mas os 2 anos é a idade ideal para começar a remoção, de forma a evitar problemas futuros de dentição e fala.

Comece aos poucos. Programe a diminuição do uso da chupeta. Por exemplo, não deixe seu filho/a chupar fora de casa; em casa, só ofereça se ele/a pedir; depois ofereça apenas para dormir. Vá num lento crescendo até chegar no momento certo da negociação final. SIM, negociação. Nada de força bruta. Haverá uma negociação entre você e ele/a. Converse muito e muito com seu filho/a. Ele/a entenderá tudo que você está propondo.

Leve-o/a até um espelho e lhe mostre o estrago que o bico está causando nos dentes. Use as datas especiais (Natal, aniversário, Páscoa) para negociar o fim do bico em troca de um presente.

shutterstock_166172435

Agora, como Odontopediatra e como mãe, vou fazer uma afirmação que vai surpreende-la/o: a remoção da chupeta depende mais dos pais do que da criança. Tenho dois meninos. Os dois, naturalmente, chuparam bico e o processo de retirada foi o mesmo para ambos, mas os resultados foram diferentes. Meu filho mais novo, além de ter uma personalidade mais forte, se mostrou muito mais apegado ao bico que o mais velho. Quando comecei o processo de retirada com ele, temi o resultado. Mas segui direitinho as regras em que acredito e não houve nenhum problema mais relevante. Ele chorou duas noites pedindo o bico; nós resistimos. No terceiro dia nem lembrava mais e, obviamente, foi recompensado por isso. Hoje ele está orgulhoso de ser um “menino grande”, que não chupa mais bico.

Vamos agora a uma pequena coleção de dicas preciosas para você, mãe, e você, pai:

1 – Faça uma preparação antes e diminua gradualmente o uso;

2 – Converse muito e explique exatamente o que pode acontecer se ele continuar chupando o bico. Diga que ele/ela já está grandinho/a e, portanto, não precisa mais de chupeta;

3 – Prometa um presente se ele/a dormir a primeira noite sem o bico;

4 – A dica mais importante: SEJA FIRME! Não tenha pena, você está fazendo o melhor para seu filho. Ele vai chorar? Claro que vai. Não perca a paciência e seja amorosa com ele.

Tenho certeza que será um sucesso. Ele/a vencerá essa etapa sem traumas.

shutterstock_153947837

Dicas para minimizar os problemas da chupeta:

  • Dê apenas chupetas ortodônticas;
  • Não ofereça a chupeta a qualquer momento ou ao menor sinal de choro;
  • Não deixe a chupeta pendurada na roupa ou em correntinhas, sempre à disposição do bebê;
  • Assim que seu filho/a adormecer, retire a chupeta;
  • Se seu filho/a começar a chupar o dedo, tente substituir esse “vício” pela chupeta ortodôntica;
  • Quando seu filho/a estiver com o dedo na boca, desvie sua atenção para atividades que ocupem as mãozinhas.

Vamos falar, por último, dos problemas que a chupeta pode causar à arcada dentária de seu filho/a.

Removendo o hábito da chupeta antes dos 4 anos, normalmente os problemas da arcada causados pelo bico passam por uma autocorreção. Com o abandono do hábito da chupeta, a musculatura facial passa a trabalhar normalmente e os ossos faciais ficam liberados para crescer normalmente. Dessa forma, os problemas na mordida causados pelo bico são corrigidos sem a necessidade de usar aparelhos ortodônticos. O uso de aparelho ortodôntico, portanto, não é obrigatório para todos, mas apenas para alguns que não foram beneficiados por aquela autocorreção.

Fique atenta/o a eventuais problemas respiratórios e na fala. Em alguns casos, mesmo tirando o bico, os problemas oclusais permanecem, muitas vezes causados por outros motivos. Por isso é tão importante que você leve sempre seu filho/a a um Odontopediatra/Ortodontista para analisar individualmente o caso dele/a.

Estou muito curiosa de saber como foi a experiência de vocês! Comentem abaixo e compartilhem comigo. E claro: no que puder ajudar, estou a sua disposição.

Dra. Juliana Marchi

Deixe seu comentário